• Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Twitter Icon
 
 
 

Capoeira Soundsystem combina canções tradicionais de capoeira com música eletrônica

 

A mistura de ritmos afrobrasileiros com sonoridades contemporâneas é a proposta do Capoeira Soundsystem, o mais recente trabalho do músico, dj e produtor Gabriel Pinheiro. Este é o primeiro projeto no Brasil dedicado, exclusivamente, à fusão de música eletrônica com canções tradicionais de capoeira, uma das expressões culturais mais importantes do país.

 

O projeto apresenta ao público uma experiência sonora única, que transita entre samplers de berimbau, pandeiro, baixo, beats e sintetizadores, trazendo uma composição eletrônica orgânica em conjunto com canções originais. Uma música firme em suas raízes, mas sonhadora e lúdica em seu espírito, enriquecida ainda por uma performance com instrumentos ao vivo.

 

O Capoeira Soundsystem já realizou apresentações em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, EUA e Europa, onde abriu o show do Nação Zumbi em Berlim em julho do ano , tendo assim a oportunidade de levar o trabalho para diferentes platéias. Com 7 músicos no palco, o novo show, que já está pronto para ser apresentado em 2018, possibilita transportar para o público toda a sonoridade característica do primeiro trabalho lançado em 2017.

 

Aliás, disco que já entrou na programação de diversas rádios brasileiras, da Europa e EUA, como a KEXP FM de Seattle. A convite do produtor Maga Bo, integrou a coletânea Kafundó Vol.5: Afro Brazilian Roots and Wires da Kafundó Records, passando a fazer parte do cast da gravadora ao lado de nomes como Baiana System, Anelis Assumpção e Dj Dolores, entre outros.

 

Segundo Gabriel Pinheiro, o projeto é resultado do sonho de “poder levar aos palcos e às pistas de dança uma homenagem à todos aqueles que um dia foram proibidos de dançar; aos corações, uma homenagem aos que um dia foram proibidos de lutar; e aos ouvidos, uma homenagem às vozes que um dia foram proibidas de cantar”.

 

A cultura africana – responsáveis pelo surgimento de ritmos como samba, jazz, reggae, dub, ska e hip hop – associada aos hinos de luta dos negros e ao eletrônico atual, nos remete à uma real jam session de volta ao tempo. E viver essa moderna ancestralidade musical é a proposta do Capoeira Soundsystem.

Capoeira Soundsystem por Gabriel Pinheiro

 

Capoeira Soundsystem é parte de um sonho. De poder levar às pistas de dança uma homenagem a todos aqueles que um dia foram proibidos de dançar. Aos corações, uma homenagem aos que um dia foram proibidos de lutar. E aos ouvidos uma homenagem às vozes que um dia foram proibidas de cantar.

 

Parte indissociável da nossa história, patrimônio da cultura brasileira, proibida e marginalizada por tantos anos. Uma manifestação cultural genuinamente nossa, que mistura luta, dança, música, e tantos elementos. Fascinante em todos os aspectos! Especialmente o musical, pra mim.

 

Canções de capoeira me emocionam de maneira inexplicável. Músicas que falam de fé, de luta, coragem, memória, respeito, cultura, gratidão, esperança, liberdade. Há tempos eu queria fazer um projeto ligado a isso.

 

Somado, o meu amor por obras derivadas. Intertextualidade, intervenções, e a possibilidade de fazer parcerias não só com pessoas, mas também com as suas artes. E esse é o espírito desse projeto. Músicas criadas a partir de canções tradicionais de capoeira.

 

Todas as canções são perfeitas em suas versões originais, eu não mudaria nada. Muitas com berimbau, voz e alguma percussão, só. São hinos. Mas como o fato de usá-las em novas composições não faz com que elas desapareçam, pelo contrário, gera interesse, então me senti à vontade pra seguir em frente com a ideia. Com muito respeito.

 

Um material cheio de vida. Músicas que não seguem click, às vezes gravações mais sujas, espontâneas. Tudo isso me inspirou a trabalhar da mesma forma. Sem programações ou loops. Tocando junto a cada inserção, de baixo, bumbo, caixa, synths. Se desencontrar um pouco, não tem problema. É uma música eletrônica artesanal, não industrial, dura. E pode ter certeza que os tempos se atravessam, e muito!

 

As sementes Africanas deram tantos frutos como o Samba, o Jazz, o Reggae, Dub, Ska, Hip Hop. E são minhas maiores influências. Juntar tudo isso com canções tão próximas às originais que eram cantadas pelos negros tempos atrás, foi como fazer uma jam session de tataranetos com tataravôs. Isso tudo na minha mente, claro! Mas essa imagem realmente influenciou todo o processo. 

 

Um selecter, um dj, a galera do samba, do jazz, junto com os negros que vieram para o Brasil, todos tocando juntos. Aquela bagunça organizada. Atravessando, voltando, improvisando, suingando, com beats, violões, canto, batuque. Uma visão bem romântica, confesso! E totalmente fora do meu alcance! Mas a cada coisinha que fazia imaginava uma dessas pessoas, nesse jam bem doida. Sem nenhuma pretenção de alcançar o que um acontecimento cósmico desses seria de verdade! Longe de mim. Porque esse disco é pura ficção! Daquelas!

 

Os instrumentos velhos, surrados, esses sons valem ouro! Me levam pra outros lugares. E essa foi a pegada. Um som cru, rústico, orgânico. Às vezes até bem sujo.

 

Pra completar a trip, o soundsystem. A última camada do trabalho. Tudo isso tem muito a ver com a capoeira, na minha opinião. Os graves, as raízes. Os delays, o lúdico. Os pés no chão, a cabeça sonhadora. Tantas letras tem esse espírito! É incrível como tem tudo a ver. E poder brincar com as frequências, improvisar com efeitos, sonoridades, poesia pura.

 

Isso tudo pode estar parecendo papo de maluco, e talvez seja mesmo! O som, mais ainda. Mas assim que é bom! Viva a capoeira, e viva liberdade!

Gabriel Pinheiro

Gabriel Pinheiro é produtor, dj, sound designer e multi-instrumentista brasileiro, natural do Rio de Janeiro. Também atua como radialista, compositor de trilhas sonoras, pesquisador e curador na área de música e cinema. Atualmente reside em Brasília e trabalha na Rádio Nacional FM 96.1.

Ao longo de 20 anos de carreira tem realizado trabalhos de música eletrônica experimental, trilhas sonoras, música brasileira, jazz, trip hop, bass, dub, reggae, funk, com passagens por países como Alemanha, Holanda, Inglaterra, França, Bélgica, Portugal, Suiça, EUA, Argentina e Uruguai.